Palavra do Frei › 02/12/2019

Advento: tempo de espera ativa e vigilante

Neste domingo, 1° de dezembro de 2019, a nossa Igreja inicia o primeiro tempo forte do ano litúrgico: o tempo do Advento. Com a solenidade de Cristo Rei, no domingo passado, encerramos o ciclo C, de três ciclos que compõe o nosso ano litúrgico católico. Cada ciclo tem um plano de leituras bíblicas, organizadas de modo a nos conduzirem na celebração e meditação dos mistérios da nossa fé. O primeiro grande mistério da nossa fé. O primeiro grande mistério que celebramos é o mistério da Encarnação – “o Verbo divino que se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória: glória do Filho único do Pai, cheio de amor e fidelidade” (Jo 1:14). Assim, o Advento nos prepara para a visita amorosa de Deus ao seu povo, no grande presente de amor que o Pai nos deu: seu Filho único, que veio para redimir a humanidade, assumindo-a em sua plenitude. “Na plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho. Ele nasceu de uma mulher, submetidos à Lei” (Gl 4:4). “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que n’Ele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (Jo 3:16).

O Advento é, portanto, tempo de espera, ansiosa e alegre, da visita salvadora de Deus, em seu Filho amado Jesus. O Advento é também tempo de vigilância, conversão, mudança de vida, preparação para acolher e receber com alegria, o Príncipe da Paz! Espera ativa, simbolizada na cor litúrgica lilás (ou roxa), como a mulher gravida e toda a família que aguardava, com um misto de alegria e dor o parto que traz à luz um novo ser e um novo tempo. A palavra de Deus, destacando a missão profética do Povo da Aliança (principalmente nas Profecias de Isaías) como Luz das nações, de São João Batista como profeta percursor do Messias esperado, e de Maria, como genitora e portadora do Redentor da humanidade, vai se desenvolvendo num incontido grito de gloria e louvor, que explodirá na alegria da noite de Natal, como a Igreja canta alegremente: “nasceu-nos hoje um menino, um filho nos foi dado. Grande é este pequenino, rei da paz será chamado. Aleluia…”

Para vivermos bem o tempo do Advento, deveríamos assumir este espírito a que a Palavra de Deus e a liturgia deste tempo nos convidam. Não deveríamos antecipar o Natal, mas esperar o tempo certo de viver o seu verdadeiro espírito na fé. A personagem ou a figura central deverá ser sempre o Menino Jesus, antecipado somente pelas profecias, que nos chamam à transformação da nossa vida e do mundo ao nosso redor, por São João Batista, por Maria, sua Mãe amorosa e, também, certamente, nossas famílias reunidas em torno do Presépio e da mesa da Palavra, da Eucaristia e do convívio feliz às mesas de nossas casas.

O Advento nos prepara para um outro tempo forte da nossa liturgia. Tempo breve, mas de uma força extraordinária e decisiva para todo o ano novo e o futuro que Deus nos concederá: o Tempo do Natal, que concluirá com a Epifania, manifestação gloriosa e salvadora de Deus à humanidade, que será redimida no alto do Calvário, no maior mistério da fé, já anunciado no tempo do Advento e Natal: o Mistério Pascal de Nosso Senhor Jesus Cristo, sua paixão, morte e ressurreição, que em 2020 será nos dias 10,11 e 12 de abril. Vamos viver com Jesus, seguindo seus passos no seu cotidiano!

Um feliz e santo Advento para todos!

O Senhor nos abençoe e nos guarde em nossa preparação para o seu Santo Natal!

 

Frei Edilson Rocha, O.F.M

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.